A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública pretende devolver antecipadamente ao Fundo Monetário Internacional mais 1.000 milhões de euros até final do ano, encerrando 2017 com um total de dez mil milhões de euros reembolsados.

Este objetivo consta de um documento de apresentação da evolução da economia portuguesa feita a investidores internacionais pela agência liderada por Cristina Casalinho, a que a Lusa teve hoje acesso.

No documento, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) reporta faltar saldar, atualmente, 24% do total do resgate de 26 mil milhões de euros feito pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) a Portugal em 2011, correspondentes a cerca de 6,3 mil milhões de euros, sendo que, com mais este reembolso previsto nas próximas semanas, ficarão por pagar 5,3 mil milhões de euros ao Fundo.

No passado dia 05, em Bruxelas, o secretário de Estado das Finanças tinha informado os ministros das Finanças da União Europeia que Portugal pretendia pagar antecipadamente ao FMI até final do ano "pelo menos" mais 500 milhões de euros: "No fim da reunião tive oportunidade de informar os meus colegas de que Portugal pretende ainda este ano fazer um pagamento ao FMI de pelo menos 500 milhões de euros", indicou Ricardo Mourinho Félix no final do Conselho Ecofin, no qual representou Portugal.

Para determinar o valor preciso de mais este reembolso antecipado do empréstimo concedido pelo FMI no quadro do programa de assistência financeira externa ao país (2011-2014), será necessário "ter em conta aquilo que é também agora o fecho das contas do ano e a evolução da situação orçamental", disse na altura.

"Mas, pelo menos, 500 milhões de euros estou convicto que seguramente conseguiremos pagar ainda este ano, antecipadamente, ao FMI, o que contribui para reduzir a dívida, reduzir o custo dessa dívida e robustecer aquilo que é a evolução dos indicadores e desse indicador tão importante que tem sido o rácio da dívida pública", completou.

Lusa

COMENTÁRIOS

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.